/ Evangelho

Não se envergonhe do Evangelho

Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé. Romanos 1:16-17)

Primeiramente devemos destacar que a base do cristianismo é a fé em Jesus, é através da nossa fé nEle e em seu Sacrifício na Cruz do Calvário que alcançamos a nossa justificação:

Mas agora, sem lei, se manifestou a justiça de Deus testemunhada pela lei e pelos profetas; justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos os que crêem; porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. Romanos 3:21-24

Recebemos a justificação e a salvação através da nossa fé em Cristo Jesus, Romanos 10:4, e não através da prática de boas obras, claro que se estamos e Cristo praticamos boas obras, no entanto não são elas que nos salvarão, mas sim o Sangue de Jesus vertido no madeiro.

Sabemos também que todos aqueles que aceitam a Cristo como seu Senhor e Salvador são feitos filhos de Deus, conforme está escrito em João 1.12, no entanto viver com Cristo não se limita apenas ao aceitar, ou crer, mas sim em uma vida de busca e crescimento espiritual.

Nossa fé não deve ser estática, congelada, pelo contrário, devemos nos aproximar cada vez mais de Deus.

“Por isso, também pode salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.” (Hebreus 7:25)

Note que o escritor aos hebreus diz: “… os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder”, através deste versículo conseguimos compreender que:

  • Jesus é o mediador entre Deus e os homens:“também pode salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus*…”* (grifo do autor);
  • Jesus está sempre pronto para interceder por nós:* “… vivendo sempre para interceder por eles”*;

Tendo em mente estes dois tópicos, Jesus o Único mediador e intercessor e, além disso, destacando que o escritor escreve “sempre” podemos entender que aqueles que buscam alimentar sua fé sempre encontrarão um intercessor mediante Deus.

No entanto devemos nos apresentar perante Deus conforme Jesus Cristo nos ensinou em João 4.23-24:

“Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.”

  • Em espírito: refere-se à nossa postura diante de Deus, devemos busca-lo com sinceridade e com ânimo de espírito;
  • Em verdade: a verdade é dos atributos morais de Deus, portanto se queremos viver verdadeiramente diante dEle devemos viver em verdade.

Ou seja, nossa adoração e nossa vida espiritual deve, sem sombra de dúvidas, estar em conformidade com a Palavra de Deus.

Não devemos andar como o mundo, pois a nossa fé em Jesus nos afasta dele, Romanos 6.6-7, nos torna uma nova criatura, tornando nosso viver totalmente diferente dos padrões seculares, Romanos 6:11 e II Coríntios 5:17.

Agora voltemos novamente ao versículo 16 de Romanos 1:

“Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego;”

Neste versículo, que está na abertura e na apresentação do tema da carta de Romanos, Paulo nos apresenta duas coisas de suma importância para nós cristãos:

  • A fé em Cristo Jesus e em seu Sacrifício Vicário é o caminho para a salvação:“… porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê”;
  • Não devemos, jamais, nos envergonhar do Evangelho de Cristo:“…não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus…”.

Mas o que seria “sentir vergonha do Evangelho”?

Eu penso que sentir vergonha do Evangelho não é apenas deixar de falar do amor de Deus, na minha opinião vai muito além disso. Veja:

  • Andar conforme o mundo, falar como o mundo e amar as coisas do mundo simplesmente por temer o desprezo e as perseguições;
  • Ter prazer no sofrimento e na dor do outro, além de consentir com o erro. Vamos deixar claro que o “ter prazer no sofrimento e na dor do outro” pode ser, rapidamente, traduzido em “gostar de ver sangue, pancadaria e mortes em programas televisivos como luta livre, filmes violentos, seriados etc.” Além é claro de “aceitar” e ter prazer ao ver uma punição desumana e cruel àqueles que cometeram algum tipo de crime.

Paulo nos adverte seriamente em Romanos 1.32 que, não apenas os que praticam iniquidades, mas aqueles que consentem serão severamente punidos por Deus. Por isso devemos tomar muito cuidado com aquilo que temos tomado como padrão de diversão e entretenimento, pois podemos até não ser um assassino, mas se nos divertimos com séries cheias de mortes ou com um personagem perverso que morre, seremos punidos da mesma maneira!

Ao contrário disso devemos amar a justiça de Deus e aborrecer o mal, Hebreus 1:9, não apenas amar a Palavra de Deus, mas também desprezar os padrões morais deste mundo.

Se assim o fizermos o Evangelho de Cristo resplandecerá em nós, pois é através das nossas vidas que o mundo conhece a Palavra de Deus.

Em suma, não devemos nos envergonhar do Evangelho, pois ele é o Poder de Deus para salvar todo aquele que crê. Se nos envergonhamos dele estamos, automaticamente, nos envergonhando do Plano Divino da Salvação, de tudo o que Deus preparou para que os homens pudessem de aproximar dEle novamente e do Sacrifício, do Sangue e da Morte de Jesus na Cruz do Calvário.

Não nos envergonhemos do Evangelho! Que Deus vos abençoe!

Jamil Filho

Jamil Filho

Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, fundador e editor do Euaggelion.

Ler mais