/ Defesa da Fé

Outro evangelho...

Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis. 2 Coríntios 11:4

Neste versículo, bem como em todo o capítulo 11, o apóstolo Paulo não apenas defende-se, seguindo a mesma linha de pensamento do capítulo 10, como também alerta acerca de falsos mestres que poderiam surgir na igreja de corinto.

Trazendo este trecho para os dias atuais e, tomando como base o comentário de Donald C.Stamps, vamos estudar um pouco acerca dos falsos mestres, seus engodos e os estragos provocados nas igrejas que aceitam os ensinamentos antibíblicos.

O apóstolo Paulo adverte a igreja de Corinto acerca dos falsos mestres e os estragos causados dentro da igreja. No versículo de número três Paulo alerta para o risco que alguns membros da igreja de corinto estavam correndo, pois estavam aderindo às falsas doutrinas, conforme está escrito:

Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo.

Os falsos ensinamentos estavam entrando dentro da igreja de Corinto de maneira sutil e com aparência de verdade (vv. 13,14), no entanto sua mensagem não se enquadrava nos moldes apostólicos (v. 4). Infelizmente o mesmo está acontecendo hoje, no nosso meio.

O Evangelho centrado em Cristo foi substituído, em muitos lugares, por uma falsa retórica de um cristianismo superficial firmado apenas em bens materiais, sucesso financeiro, vida terrena bem sucedida vitoriosa, falta de compromisso com a Palavra e, o mais grave de todos os erros, um evangelho sem a pessoa de Jesus Cristo.

Tal evangelho, conforme os escritos do apóstolo João, não provém do Espírito de Deus, pois “…todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que está já no mundo” (1 Jo 4:3) e negarão a Segunda Vinda de Jesus Cristo para buscar a sua Igreja (2 Pe 3:4).

A Palavra de Deus nos mostra que os falsos mestres fariam grandes obras e sinais, porém sem a orientação e direção de Deus, passando por ministros de Cristo (Rm 11:13). Embora aparentam ser, verdadeiramente, servos de Deus (Mt 23:28) estão, na realidade, cheios de rapina e iniquidade (Mt 23:25), morte e imundícia (Mt 23:27), hipocrisia e iniquidade (Mt 23:28).

Não se preocupam com as almas, nem com o crescimento do Reino de Deus, mas, conforme Judas escreveu, “entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão…”, o mesmo nos escreve Pedro: “os quais deixando o caminho direito, erraram seguindo o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio de injustiça.”

Caminho de Balaão: trata-se do amor às honrarias pessoais e aos ganhos materiais, às expensas do povo de Deus. Donald C. Stamps

Os falsos mestres não estão interessados nas necessidades espirituais do rebanho, nem em sua salvação e proteção, mas sim naquilo que eles podem retirar delas (2 Pe 2.3). Tanto Pedro quanto Judas nos advertem acerca da gravidade e do destino eterno destes lobos comparando-os com os anjos que se rebelaram contra Deus (2 Pe 2:4; Jd v. 6).

Neste último aspecto o apóstolo Pedro os compara a animais irracionais, pois “enquanto os anjos, sendo maiores em força e poder, não pronunciam contra eles juízo blasfemo diante do Senhor. Mas estes, como animais irracionais, que seguem a natureza, feitos para serem presos e mortos, blasfemando do que não entendem, perecerão na sua corrupção” (2 Pe 2:11,12), o mesmo faz Judas no versículo 10.

Mas como identificar tais homens?

1) Discernir o caráter da pessoa. Ela tem uma vida de oração perseverante e manifesta uma devoção sincera e pura a Deus? Manifesta o fruto do Espírito (Gl 5:22,23), ama os pecadores (Jo 3:16), detesta o mal e ama a justiça (Hb 1:9) e fala contra o pecado (Mt 23; Lc 3:18-20)?

2) Discernir os motivos da pessoa. O líder cristão verdadeiro procurará fazer quatro coisas:

a. Honrar a Cristo (2 Co 8:23; Fp 1:20);
b. Conduzir a igreja à santificação (At 26:18; 1 Co 6:18; 2 Co 6:16-18);
c. Salvar os perdidos (1 Co 9.19-22);
d. Proclamar e defender o evangelho de Cristo e dos seus apóstolos;

3) Observar os frutos da vida e da mensagem da pessoa. Os frutos dos falsos pregadores comumente consistem em seguidores que não obedecem a toda a Palavra de Deus (Mt 7:16).

4) Discernir até que ponto a pessoa se baseia nas Escrituras. Este é o ponto fundamental. Ela crê e ensina que os escritos originais do AT e do NT são plenamente inspirados por Deus, e que devemos observar todos os seus ensinos (2 Jo 1.9-11)? Caso contrário, podemos estar certos de que tal pessoa e sua mensagem não provêm de Deus.

5) Finalmente, verifique a integridade da pessoa quanto ao dinheiro do Senhor. Ela recusa grandes somas para si mesma, administra todos os assuntos financeiros com integridade e responsabilidade, e procura realizar a obra de Deus conforme os padrões do NT para obreiros cristãos (1 Tm 3.3; 6.9,10).
Donald C. Stamps

Enfim, que possamos estar sempre alertas quanto aos falsos mestres e ensinamentos, mantendo-nos firmes nos ensinamentos e padrões aceitáveis de Cristo. Que o Senhor Deus vos abençoe.

Jamil Filho

Jamil Filho

Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, fundador e editor do Euaggelion.

Ler mais