/ Defesa da Fé

A Escória Da Igreja Capitalista

Se alguém ensina alguma outra doutrina e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com a doutrina que é segundo a piedade, é soberbo e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas, contendas de homens corruptos de entendimento e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho. Aparta-te dos tais. 1 Timóteo 6:3-5

Infelizmente, desde os primórdios da Igreja Cristã, presenciamos um crescimento, por que não dizer, uma busca, por parte daqueles que teoricamente deveriam buscar o bem do rebanho de Cristo, em explorar, cada vez mais, o povo de Deus.

O apóstolo Paulo nos alerta claramente “…cuidando que a piedade seja causa de ganho. Aparta-te dos tais”.

Quantos “pastores” não pensam que a igreja é apenas e tão simplesmente uma forma de enriquecer e de ganhar dinheiro fácil? Afinal eu apenas falo o que o povo quer ouvir e, posteriormente, os coloco na parede para me entregar 10, 20, 30 ou até 100% de seu salário!

Vamos deixar claro dois pontos:

  1. O dízimo, a partir da Nova Aliança, além de não ser obrigatório é uma demonstração de fé e gratidão da pessoa para com Deus. Eu devolvo, VOLUNTARIAMENTE, um décimo daquilo que recebi. Possuindo este ponto em mente podemos afirmar que todo pastor, instituição ou indivíduo que estipula como princípio de salvação e/ou comunhão com Deus o fato de dizimar está, na realidade, assumindo para si a condenação eterna e se enquadrando no que o apóstolo Paulo diz em 1 Coríntios 16:22, Gálatas 1:8-9, 1 Timóteo 6:3-5.

  2. Assim como o dízimo a oferta trata-se de uma doação voluntária para o bom andamento da obra de Deus. Note que em toda a história da Igreja Primitiva não vemos, uma única vez, a utilização do termo “dízimo”, mas sim “ofertas” sendo que todas eram destinadas àqueles que, por sua fé, haviam perdido tudo ou estavam passando necessidades.

Mas e quanto ao dízimo bíblico?

O dízimo, obrigatório apenas à Israel, ao contrário do que a grande maioria dos cristãos imaginam era, na realidade, a décima parte daquilo que eles produziam, ou seja, o dízimo que era consagrado a Deus era retirado dos cereais, rebanhos, hortaliças e tudo que eles produziam (Lv 27.30-32; Hb 7.1-10).

Note que o dízimo era destinado para o sustento dos levitas (Nm 18.21-24), dos estrangeiros, dos órfãos e das viúvas (Dt 14.28-29). E o dízimo de hoje!?

Muitos pastores, e eu já presenciei isto, colocam o fiel na parede forçando-o a dizimar, senão “o diabo terá poder para destruir os seus bens materiais”.

Certo, mas qual é a destinação deste dinheiro? Vai apenas para o sustento das regalias do pastor ou é utilizado para expansão do Evangelho e apoio aos órfãos, viúvas e obreiros que dedicam sua vida à obra de Deus?

Muito se fala na obrigatoriedade do dízimo e, muitos vão além, afirmam que ele é um dos quesitos que garante a salvação. Não sei se algum pastor que defende com unhas e dentes e, quem sabe, até coloca a igreja na parede para lhe dar o dízimo, estará lendo, mas quero deixar claro que:

I. O dízimo (décima parte) era obrigatório apenas à Israel. No Novo Testamento encontramos referências de contribuições voluntárias dos cristãos àqueles que necessitavam sendo que, tais contribuições, eram proporcionais aos bens:

No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade, para que não se façam as coletas quando eu chegar. 1 Coríntios 16:2

II. O povo israelita dizimava, basicamente, cereais, as primícias dos rebanhos e tudo o que produziam:

Certamente darás os dízimos de todo o fruto da tua semente, que cada ano se recolher do campo. Deuteronômio 14:22

III. O dízimo era destinado para o sustento dos levitas, dos necessitados da nação de Israel bem como para a manutenção do Templo:

E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação. Números 18:21

Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao Senhor em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse: No meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão. Números 18:24

Ao fim de três anos tirarás todos os dízimos da tua colheita no mesmo ano, e os recolherás dentro das tuas portas; Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o Senhor teu Deus te abençoe em toda a obra que as tuas mãos fizerem. Deuteronômio 14:28-29

Em suma, quer introduzir a obrigatoriedade do dízimo!? Pois bem, então todos aqueles que dedicam a vida na obra e os necessitados da igreja também deverão usufruir dele. Pois eu dizimo para o sustento da obra de Deus e não para o pastor!

Igreja, um “negócio lucrativo”

Infelizmente a grande maioria dos dirigentes das igrejas possuem esta visão deturpada do que é, ou deveria, ser a igreja. Paulo já nos alerta “cuidando que a piedade seja causa de ganho”. O apóstolo Pedro nos diz o mesmo:

E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade; e, por avareza, farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita. 2 Pedro 2:1-3

Cristo nos ensina, claramente, que tudo aquilo que fizermos em seu Reino deve ser entregue na mesma medida em que recebemos. Gratuitamente!

Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai. Mateus 10:8

Não possuímos o direito de barganhar o Reino, de tirar proveito da boa-fé dos cristãos e, muito menos, explorar a nenhum filho de Deus!

Infelizmente a Igreja Pós-moderna se tornou um covil de ladrões, praça de cambistas e uma toca de lobos gananciosos, avarentos e endemoniados.

Desde quando a salvação se negocia com taxas, óleos ungidos e rituais?

O abismo que havia entre nós e Deus foi superado por Cristo, apenas nEle há verdadeira salvação, redenção e renovo. Tudo que foge deste princípio imutável não passa de doutrinas instituídas por homens e, muitas vezes, por demônios!

Por causa destes avarentos o nome de Cristo é blasfemado entre os ímpios, por causa do comércio dentro da igreja almas são desviadas do caminho da salvação, por causa da ganância dos falsos mestres, do anseio em extrair até a última gota da gordura das ovelhas e da ignorância espiritual almas padecem por falta de cuidado e orientação.

Repito, com muita tristeza, grande parte da igreja cristã não passa de clubes sociais, nos quais para você entrar e permanecer deve, dia após dia, alimentar a ganância de seus presidentes. A comunhão verdadeira com Deus não é importante, a comunhão com os verdadeiros irmãos já não é necessária, tudo o que importa é que o sistema seja abastecido por mais e mais dinheiro.

Pequenas igrejas se tornam filiais de grandes “redes evangélicas”, nas quais são obrigadas a alimentar suas matrizes, caso contrário são ameaçadas de extinção!

A escória da Igreja Capitalista

Porque a cada dia que passa está mais difícil de encontrarmos cristãos comprometidos com a Verdade, com Deus e com sua Palavra?

A resposta é simples: Igrejas que são comprometidas apenas e tão somente com Mamom produzirão apenas e tão somente cristãos (se é que podemos chamá-los de cristãos) descomprometidos com Deus, amantes de si mesmo, avarentos, mundanos, orgulhosos, legalistas, imorais e que odeia a Cristo Jesus, sua obra, sua vida e seu Retorno.

Não precisamos de indivíduos que se autodeclarem cristãos apenas para elevar os dados do IBGE, precisamos de homens e mulheres comprometidos em falar a verdade mesmo quando todo o mundo e toda a Igreja Secular fala apenas mentira!

Não precisamos de uma Igreja Brasileira, precisamos de uma Igreja Bíblica. De uma Igreja que anuncie em seus púlpitos apenas e tão somente a salvação em Jesus, o poder renovador do Espírito Santo, apenas isso e nada mais!

Não precisamos de cristãos de estatísticas, precisamos de cristãos praticantes, cristãos que não concordam e não aceitam o lixo que está sendo introduzido em nossos púlpitos, cristãos que não engolem o misticismo deste evangelho secularizado, cristãos que não estão dispostos a viver de acordo com padrões vomitados por lobos e que não se deixam enganar pelos gurus disfarçados de “grandes homens de Deus”.

Este “evangelho” material e de apenas e tão somente conquistas terrenas e seus seguidores estão fadados à condenação eterna, o mais terrível destino, o Lago de Fogo e Enxofre!

Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. O fim deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles é para confusão deles mesmos, que só pensam nas coisas terrenas. Filipenses 3:18-19

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências, que aprendem sempre e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles. 2 Timóteo 3:1-9

E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade; e, por avareza, farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita. Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o Juízo; e não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios; e condenou à subversão as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente; e livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis (porque este justo, habitando entre eles, afligia todos os dias a sua alma justa, pelo que via e ouvia sobre as suas obras injustas). Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos e reservar os injustos para o Dia de Juízo, para serem castigados, mas principalmente aqueles que segundo a carne andam em concupiscências de imundícia e desprezam as dominações. Atrevidos, obstinados, não receiam blasfemar das autoridades; enquanto os anjos, sendo maiores em força e poder, não pronunciam contra eles juízo blasfemo diante do Senhor. Mas estes, como animais irracionais, que seguem a natureza, feitos para serem presos e mortos, blasfemando do que não entendem, perecerão na sua corrupção, recebendo o galardão da injustiça; pois que tais homens têm prazer nos deleites cotidianos; nódoas são eles e máculas, deleitando-se em seus enganos, quando se banqueteiam convosco; tendo os olhos cheios de adultério e não cessando de pecar, engodando as almas inconstantes, tendo o coração exercitado na avareza, filhos de maldição; os quais, deixando o caminho direito, erraram seguindo o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça. 2 Pedro 2:2-15

Enquanto a igreja cristã, ou supostamente cristã, continuar preocupada com apenas bens materiais e rejeitar o Sacrifício de Cristo no Calvário, não existirá verdadeira conversão, renovação e mudança de vida.

Voltemos ao Verdadeiro Evangelho, ao único alvo do cristianismo, Jesus Cristo!

Jamil Filho

Jamil Filho

Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, fundador e editor do Euaggelion.

Ler mais