Apologética Devocional DropsGelion Reflexão Sobre Fale Conosco
/ Reflexão

Templo do Espírito Santo

  • Jamil Filho

    Jamil Filho

    Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, criador e editor do Euaggelion.

    Ler mais artigos deste autor.

    Jamil Filho

“Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.” (1 Coríntios 3.16-17)

“Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Coríntios 6.19)

Creio que todos, senão a maioria, dos cristãos já ouviu ou leu acerca do nosso corpo ser morada do Espírito Santo. No entanto, muitos não compreendem o real sentido destas declarações do Apóstolo Paulo e transfere o que deveria ser um cuidado espiritual e moral para o material.

Se lermos todo o capítulo 3 de 1 Coríntios veremos o Apóstolo Paulo exortando a igreja no tocante à separação do mundo. Os crentes da igreja de Corinto estavam, na realidade, longe da santificação, conforme observamos no primeiro versículo deste mesmo capítulo.

“E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo”

E mais adiante ele assevera:

“Porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós invejas, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais segundo os homens?”

Percebam que os crentes da igreja de Corinto estavam “patinando” na fé, não saiam de seu estado inicial, não cresciam na graça em Cristo Jesus e não podiam ser alimentados com comida sólida (1 Coríntios 3.2).

Mas por quê?

O próprio Apóstolo Paulo alerta que, entre eles, havia inveja, contendas e dissensões. Se realizarmos um levantamento do contexto moral e espiritual da igreja de Corinto veremos:

A banalização da Santa Ceia:“Nisto, porém, que vou dizer-vos não vos louvo; porquanto vos ajuntais, não para melhor, senão para pior. Porque antes de tudo ouço que, quando vos ajuntais na igreja, há entre vós dissensões; e em parte o creio. De sorte que, quando vos ajuntais num lugar, não é para comer a ceia do Senhor. Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se. Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus, e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo.” (1 Coríntios 11:17-18, 20-22);

Estavam cheios da inveja e contenda:“Porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós invejas, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais segundo os homens?” (1 Coríntios 3.3);

Não abandonavam os costumes idólatras, mesmo afirmando estar salvos em Cristo:“Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.” (1 Coríntios 10.20-21);

Desprezavam os padrões de santidade e piedade:“Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus.” (1 Coríntios 6.9-11);

Percebam que a igreja de Corinto estava longe dos padrões de santidade exigidos por Deus e, no entanto, afirmavam estar vivendo para Cristo. Se eles continuassem neste estado jamais cresceriam espiritualmente e, mais terrível ainda, corriam o sério risco de nunca serem salvos.

E é aqui que entra o ensinamento do Apóstolo Paulo “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Coríntios 6.19).

Se Deus é Santo nós, como servos e filhos dEle, também devemos ser santos para que seu Espírito habite em nós.

Ao dizer que somos templo do Espírito Santo o Apóstolo Paulo não está nos dizendo que devemos cuidar do corpo material em detrimento do espiritual. Em momento algum vemos, em seus escritos, ele colocando o cuidado com o corpo acima da santificação, da comunhão com Deus, da mortificação da carne ou da submissão aos ensinamentos de Cristo.

Mesmo porque o apóstolo Paulo estaria sendo contraditório e, por que não, insano afirmar que devemos nos preocupar demasiadamente com nosso corpo material, se ele mesmo:

  • Foi açoitado, com chicotes, cinco vezes (trinta e nove chicotadas cada vez);
  • Foi açoitado, com varas, três vezes;
  • Foi apedrejado, quase até a morte;
  • Sofreu três naufrágios, ficando um dia a uma noite flutuando à deriva no mar;
  • Passou por fome, sede, frio, noites em claro, oposições de falsos mestres, falta de amigos, perseguição dos judeus e gentios;

Em toda vida missionária do Apóstolo Paulo ele sofreu mais do que qualquer um de nós sofremos ou sofreríamos. Note que em momento algum ele se preocupou com o seu bem estar físico. E, além do fato de sofrer todas essas adversidades físicas, ele sofria, também, por causa de sua fidelidade e compromisso com a Palavra de Deus:

Várias vezes sofreu por provações a aflições em prol do Evangelho de Cristo.“Já estais fartos! já estais ricos! sem nós reinais! e quisera reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco! Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens. Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres, e nós vis. Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa, E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos;” (1 Coríntios 4:8-13);

Se angustiava, em espírito, pela tolerância do pecado dentro da Igreja.“Que, quando for outra vez, o meu Deus me humilhe para convosco, e chore por muitos daqueles que dantes pecaram, e não se arrependeram da imundícia, e fornicação, e desonestidade que cometeram.” (2 Coríntios 12.21);

Se afligia pensando naqueles que poderiam abandonar a fé.“Portanto, não podendo eu também esperar mais, mandei-o saber da vossa fé, temendo que o tentador vos tentasse, e o nosso trabalho viesse a ser inútil.” (1 Tessalonicenses 3.5)

Na contramão vemos um evangelho que anuncia palavras dóceis, agradáveis, que massageiam o ego, que supervalorizam os bens, atividades e afazeres terrenos e rebaixam o puro Evangelho da Cruz ao submundo dos evangélicos contemporâneos.

Pensar que o Espírito Santo se sente mais agradável em um corpo “em forma” e “sarado” é achar que Deus é um adolescente que possui seu padrão de beleza moldado por fotos de revistas editadas no Photoshop.

Por que será que esse “evangelho” triunfalista suprime o sofrimento de Cristo, dos Apóstolos e de todos os cristãos fiéis que, em toda a história da igreja, foram perseguidos, torturados e martirizados por seu real desejo de serem templos do Espírito Santo?

Por que será que o Puro Evangelho da Cruz não é aceito pelos evangélicos imediatistas? Infelizmente a grande maioria dos frequentadores de igreja se enquadram nos atributos morais de muitos daqueles que Paulo exorta em sua carta ao coríntios.

Infelizmente a grande maioria da Igreja Cristã está inchada pelo “Evangelho Fast Food”, um evangelho rápido, que promete tudo para agora, que prega um Deus que anota seu pedido pega seu dinheiro e, em questão de minutos, lhe entrega um prato gorduroso de bênçãos materiais, mas que a longo prazo não sustenta seu espírito e, pior ainda, não lhe prepara para o grito da meia noite.

“Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro. Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta.” (Mateus 25.6-10)

Já é tempo de despertarmos e acendermos as nossas lamparinas para nos encontrarmos com Cristo. E, este Evangelho Fast Food, pode te prometer muita coisa, no entanto ele não te apresenta o azeite e, em algum momento, você precisará dele e não o terá.

“Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Coríntios 6.19)

O real sentido destes versículos é alertar, tanto os coríntios quanto nós, que se não cuidarmos de nossas mentes e corações a fim de retirar tudo aquilo que entra em contradição com a Palavra de Deus, jamais seremos templo do Espírito Santo ou que alcançaremos a Salvação eterna.

Não estou demonizando as atividades físicas e o cuidado com o corpo, no entanto em hipótese alguma cuidar do corpo físico significa, obrigatoriamente, que estaremos disponibilizando uma “casa” agradável para o Espírito Santo. Se fosse assim o Apóstolo Paulo jamais seria aceito, visto que pelo que ele passou, creio, que seu corpo físico não se enquadrava nos padrões de hoje.

Além há uma grande diferença em cuidar de nossa saúde e nos entregar à obsessão pela caçada ao “corpo perfeito”. Diante de Deus isso não significa nada, um dia, se Cristo não voltar, todos nós morreremos e o que o nosso ego nos trará na eternidade?

Podemos cuidar de nosso corpo? Mas é claro, no entanto não será nossa condição física que garantirá nossa comunhão com Deus, mas sim a santificação e a separação do mundo. Temos que ter em mente que Deus é Santo e que, para que Ele habite em nós por meio do Espírito Santo, devemos ser santos e separado deste mundo.

Deixemos de lado todo narcisismo e toda falsa fundamentação bíblica e busquemos, realmente, o Puro Evangelho da Cruz, a santificação e a pureza para que, quando Cristo retornar, estejamos sóbrios e vigilantes.

Que Deus vos abençoe.

Jamil Filho

Jamil Filho

Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, criador e editor do Euaggelion.

Leia mais
Templo do Espírito Santo
Compartilhe