Apologética Devocional DropsGelion Reflexão Sobre Fale Conosco
/ Reflexão

Perseguição é resultado de uma Igreja fiel, não o contrário

  • Jamil Filho

    Jamil Filho

    Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, criador e editor do Euaggelion.

    Ler mais artigos deste autor.

    Jamil Filho

“Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.” (Mateus 5:11)

Perseguição… A marca da Igreja que vive o Evangelho puro de Cristo Jesus. O próprio Mestre nos alertou que seríamos perseguidos por causa do Evangelho que pregamos.

No entanto, há um porém. No versículo anterior Jesus declara “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5:10).

Seremos perseguidos e odiados se andarmos em justiça, no padrão de santidade exigido por Deus.

A pergunta que lhe faço, antes de mais nada, é “A perseguição torna a Igreja fiel?” Creio que não!

Não recordo qual pregador ou teólogo declara que a perseguição não virá para tornar a Igreja mais fiel, pelo contrário, a Igreja fiel atrai a perseguição. E, de certa forma, ele está correto.

Temos a vaga impressão ou ilusão de que se uma perseguição surgir contra a Igreja ela começará a ser mais fiel ao Senhor Deus, voltará aos ensinamentos bíblicos e viverá somente pela fé.

No entanto, encontramos alguns problemas com este ponto de vista:

  1. Uma Igreja infiel não representa nenhum risco para o reino satânico e, portanto, não há motivos para Satanás empregar forças para combatê-la;
  2. Se não somos fiéis na bonança seremos fiéis na perseguição? Superficialmente pode parecer que sim, no entanto, a resposta correta é o oposto.

Igreja infiel, uma aliada de Satanás

“Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu” (Apocalipse 3:17)

Podemos dizer que Igreja de Laodicéia é um retrato da Igreja que vivemos hoje, na realidade as sete igrejas do Apocalipse são períodos da Igreja durante os séculos (leia mais acerca deste assunto).

Não podemos negar que hoje a sociedade evangélica ganhou força, nos grandes meios de comunicação, nos altos cargos políticos, somos influentes, temos ouro, prata, mas até que ponto isso é bom?

Perceba que declaramos “**Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta”, no entanto, não percebemos que estamos nos aliando ao sistema mundano.

Já não somos separados, tal como a Igreja Primitiva a ponto de ninguém ousar a se aproximar, sem arrependimento,dos Apóstolos por temor às suas obras (Atos 5:12-13), não somos diferentes a ponto de alguém olhar para nós e declarar “este é um santo homem de Deus” (2 Reis 4:9).

Será que, realmente, representamos algum risco ao sistema maligno? A Igreja atual afronta, de fato, os costumes deste mundo? Somos realmente um povo separado, santo e que avança rumo às frentes malignas? Não me aponte os hereges que estão defendendo os falsos princípios cristãos na política pagã.

A sociedade evangélica atual não representa nenhum perigo para Satanás, afinal estamos mais preocupados em aproveitar aquilo que a modernidade nos proporciona em vez de clamar, chorar, batalhar e se sacrificar em prol das almas.

Estamos iludidos com o mundo, com a tecnologia, com as facilidades do século XXI. Estamos nos embriagando com a volúpia desta sociedade caída. Já não somos uma voz que clama “Preparai o caminho do Senhor”.

Será que acreditamos que foram os irmãos Grimm que escreveram as passagens acerca do céu e do inferno?

Nossos olhos estão tão cegos que não somos capazes de enxergar o futuro do ímpio, o horrendo estado dos homens pecadores. Não somos capazes de olhar para eles e nos comovermos com o eterno estado de separação de Deus.

Satanás não vai levantar nenhum homem para perseguir a falsa Igreja, ele não vai se opor aos costumes mundanos dos “cristãos”. Estão indo para o inferno assim como os infiéis. Não há diferença.

Na realidade uma igreja infiel, uma igreja aliada ao mundo é uma excelente arma de persuasão, uma isca para o secularismo, uma porta larga, um clube. Muitos estão sendo enganados com esta igreja manipulada pelo diabo.

Fiéis apenas na luta?

Outra grande ilusão é que quando estamos em luta tendemos a ser fiéis ao Senhor e, durante a bonança, nos esquecemos dEle.

Se nos voltamos para o Senhor apenas em tempos de crise, de luta, de adversidades e perseguição então não estamos vivendo, de fato, um cristianismo autêntico, mas sim um cristianismo interesseiro, egoísta.

Ser fiel apenas durante os momentos difíceis não passa de uma clara demonstração de desprezo, rejeição e negação do verdadeiro sentido da fé cristã.

Essa postura é, no mínimo, uma representação exacerbada de um cristianismo mimado, de um cristão que acha que pode barganhar com Deus. “Eu sou fiel agora e o Senhor me dá vitória”.

Somente aqueles que são fiéis ao Evangelho de Cristo Jesus durante a bonança, quando não há nenhuma oposição, quando todas as circunstâncias são favoráveis para confiar em sua própria força e mérito, serão capazes de subsistir na luta.

Pois se reconhecem ao Senhor em meio à facilidade, em meio à prova não será difícil entregar todos os temores a Ele.

Uma Igreja fiel é uma Igreja perseguida

“Todos que procuram viver de acordo com a Palavra de Deus, por amor à justiça sofrerão perseguição. (1) Aqueles que conservam os padrões divinos da verdade, da justiça e da pureza e que, ao mesmo tempo, se recusam a transigir com a presente sociedade pecaminosa e com o modo de vida dos crentes mornos (Apocalipse 2; 3:1-4, 14-22) sofrerão impopularidade, rejeição e críticas. O mundo lhes moverá perseguição e oposição (Mateus 10:22; 24:9; João 15:19) e, às vezes, da parte de membros da igreja professa (Atos 20:28-31; 2 Coríntios 11:3-15; 2 Timóteo 1:15; 3:8-14; 4:16)”

Uma Igreja fiel aos mandamentos de Jesus Cristo é uma ameaça ao reino de Satanás, uma Igreja fiel é uma pedra no sapato da sociedade ímpia, pois ela não aceita seus padrões de vida, seus passatempos pecaminosos, suas práticas iníquas e suas perversões.

A perseguição é resultado de uma Igreja que proclama o Reino de Deus, de uma Igreja que brada “Arrependei-vos”, de uma Igreja que anuncia a salvação em Jesus Cristo e a condenação no inferno.

Somente uma Igreja fiel será perseguida, pois ela avança em território inimigo, arranca as almas das garras de Satanás e liberta os cativos. Uma Igreja infiel jamais será perseguida enquanto que a Igreja fiel jamais deixará de ser perseguida.

Se não estamos sendo perseguidos então é um sinal de que há algo errado no Evangelho que estamos vivendo.

“Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te” (Apocalipse 3:15-19)

Fique na Paz de Cristo Jesus e que Deus lhe abençoe.

Referências:

Donald C. Stamps, Bíblia de Estudo Pentecostal.

Jamil Filho

Jamil Filho

Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, criador e editor do Euaggelion.

Leia mais
Perseguição é resultado de uma Igreja fiel, não o contrário
Compartilhe