/ Vida Cristã

Uma vila chamada Moralidade

“Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens” (1 Coríntios 15:19)

Depois de sair do Pântano da Desconfiança, Cristão encontra-se com Sábio Segundo o Mundo, um homem bastante astuto.

Sábio – Bem vindo sejas, amigo! Aonde vais com este fardo tão pesado?

Cristão – Dizes bem. É tão pesado que nunca pessoa alguma carregou um peso assim. Dirijo-me para a porta estreita, que vês além, porque, segundo me disseram, lá é onde me comunicarão o modo de ver-me livre deste fardo.

Sábio – Tens mulher e filhos?

Cristão – Tenho, sim; mas este fardo preocupa-me e aflige-me tanto que já não sinto por eles o prazer que possuía outrora, e apenas tenho consciência de os possuir. (1 Coríntios 7:29).

Sábio – Vamos; escuta-me, que posso dar-te muitos bons conselhos.

Cristão – Recebê-lo-ei com o maior gosto, pois preciso muito de bons conselhos.

Sábio – Em primeiro lugar, sou de parecer que te desfaças, quanto antes, desse peso. Enquanto assim não fizeres, a tua alma não estará tranquila, nem poderás gozar, como deves, as bênçãos que o Senhor derramou sobre ti.

Cristão – Disso mesmo é que eu vou em busca, visto ser-me impossível fazê-lo por mim mesmo, e não haver no país quem seja capaz de o conseguir. Foi só com esse fim que eu empreendi esta viagem.

Sábio – Quem te aconselhou a empreendê-la?

Cristão – Um cavalheiro que me parece muito digno de respeito e de consideração. Lembro-me de que se chamava Evangelista.

Sábio – Maldito seja quem tal conselho dá! Este caminho é exatamente o mais difícil e perigoso que há no mundo. Não começaste já a experimentá-lo? Bem te vejo cheio de lodo do Pântano da Desconfiança. E olha que esse não é senão o primeiro elo da cadeia de males que por esse caminho te esperam. Sou mais velho do que tu, e tenho ouvido muitas pessoas darem testemunho próprio de que por aí afora só há fadigas, penas, fome, perigos, nudez, leões, dragões, trevas, em suma a morte com todos os seus horrores. Diga francamente, para que se há de perder um homem por dar ouvidos a estranhos?

Cristão – Da melhor boa vontade sofreria todos os males que acabas de enumerar, em troca de me ver livre deste fardo que é para mim mais pesado e mais terrível do que todos eles.

Sábio – E como veio esse fardo para cima de ti?

Cristão – Lendo eu este livro que tenho na mão.

Sábio – Logo me quis parecer. És um desses imbecis que se metem em coisas elevadas demais para eles, e que por fim encontram tantas dificuldades e perdem o juízo e são arrastados a desesperadas aventuras para alcançarem uma coisa que nem mesmo sabem o que é.

Cristão – Quanto a mim, sei perfeitamente o que quero: ver-me livre deste pesado fardo.

Sábio – Compreendo isto. Mas para que hás de ir por um caminho tão perigoso, se eu posso indicar-te outro em que não há nenhuma dessas dificuldades? Tem um pouco de paciência, e ouve-me: o meu remédio está à mão, e em vez de perigos, acharás segurança, amigos e satisfação.

Cristão – Então fala; peço-te com muita insistência; descobre-me esse segredo.

Sábio – Olha: nessa aldeia próxima, que se chama Moralidade, vive um homem de muito juízo e grande reputação, cujo nome é Legalidade, o qual é muito hábil em tratar pessoas como tu, o que tem sido provado com numerosos exemplos; além disso, também sabe curar os indivíduos que padecem do cérebro. A casa dele fica daqui a um quarto de légua, quando muito, e, se ele não estiver em casa, seu filho, Urbanidade, que é um mancebo de grande talento, poderá servir-te tão bem como seu pai. Não deixes de lá ir. E se não estás disposto, como não deves estar a voltar à tua cidade, manda buscar tua mulher e teus filhos, porque na aldeia de que te falo há muitas casas devolutas, e podes arranjar uma por preço muito módico. Outra coisa boa aí encontrarás: vizinhos honrados, de fino trato e bons costumes. A vida ali é muito barata e cômoda.

Mas por que iniciei este artigo apresentando o encontro de Cristão com o Sábio Segundo o Mundo e qual a relação com o texto escrito pelo Apóstolo Paulo à Igreja de Corinto?

Pois bem, vamos por partes.

Momentos antes de encontrar o Sábio Segundo o Mundo, Cristão havia caído no Pântano da Desconfiança, foi abandonado pelo seu amigo e quase sucumbiu com o peso de seu fardo.

E, agora, estava recebendo uma proposta de se livrar dele sem nenhum sofrimento ou esforço.

Sábio Segundo o Mundo o envia para o Monte Sinai, para casa de Legalidade e, neste pequeno trecho, extrairemos importantes lições:

O Sábio Segundo o Mundo

Os falsos profetas, apresentado por John Bunyan como o Sábio Segundo o Mundo, estão próximos do caminho, possuem boa aparência, falam com convicção e, uma vez ou outra, proclama o nome de Deus.

Contudo estão sempre prontos para retirar os peregrinos do caminho. Seus ensinamentos apontam para fora do Caminho Estreito, para longe da Graça derramada na Cruz do Calvário.

O Sábio Segundo o Mundo não conhece nada acerca de Jesus, pois ele é guiado por seus pensamentos carnais, guiado pelo próprio diabo.

Ao invés de apresentar Jesus como a solução para o fardo do Cristão ele aponta para o Sinai, para a Lei, para os ritos, para as boas obras e para a Moralidade.

Monte Sinai

Sabemos que o monte Sinai foi o local onde Deus entregou os mandamentos para o povo de Israel.

Contudo a Lei, conforme o Apóstolo Paulo escreve, embora seja boa toma ocasião para nos matar por nossas concupiscências.

O Monte Sinai é símbolo da Lei, símbolo do juízo de Deus apresentado por meio dos mandamentos, é símbolo das falsas igrejas que anulam a graça de Deus expressa em Jesus e apresenta os ritos como o caminho para a salvação.

A Vila Moralidade

A Vila chamada Moralidade é uma alusão ao falso ensinamento que permeia a sociedade e, infelizmente, está entrando nas Igrejas Cristãs.

Moralidade está cheia de vizinhos honestos, boas casas e preços baixos.

É uma excelente alternativa para aqueles que fogem da Cidade da Destruição, mas não desejam seguir o caminho árduo e perigoso para a Cidade Celestial.

O ensino da boa moral afastado da autoridade do nome de Cristo Jesus tem tomado espaço em nosso meio. Graças à separação de Cristo e de seus ensinamentos estamos vivendo tamanha barbaridade, tamanha imoralidade.

As Igrejas têm apontado para a Vila da Moralidade ao invés do monte da salvação, da Cidade Celestial. Estamos pregando boas ações, bons padrões de conduta, civilidade, ao invés de pregar a Jesus.

Nos enganamos com o fato de que por nossas boas ações alcançaremos a salvação eterna de nossas almas.

O senhor Legalidade

O senhor Legalidade, retratado no livro como filho da Escrava, é um tipo do ensinamento que aponta para o cumprimento da Lei como sendo o caminho da salvação.

Pela Lei ninguém jamais será salvo, pois nossa carne não é capaz de obedecer ao mandamento de Deus.

Contudo, muitas igrejas têm adotado os rituais, símbolos e padrões apresentados na Lei tanto em sua liturgia de culto, quanto em suas mensagens aos perdidos.

A Lei jamais salvará!

O Jovem Urbanidade

Em algumas versões do livro este jovem, filho de Legalidade, também é nomeado de Cortesia ou Civilidade.

Indiferente do nome todos apontam para o mesmo significado: “boas maneiras, educação, civilidade”.

Assim como seu pai, o Jovem Urbanidade firma seu ensino nas boas ações humanas, sua pregação é antropocêntrica, seus preceitos apontam para o homem e creditam a este a única responsabilidade da redenção.

Quando o Apóstolo Paulo escreve para a Igreja de Corinto exortando acerca da ressurreição dos mortos e da esperança eterna em Cristo ele declara que não devemos esperar em Cristo apenas nesta vida.

Por mais que os pastores hoje não afirmem abertamente “Jesus não ressuscitou”, eles o fazem às escondidas.

Ao invés de apontar para a Cruz eles apontam para a Vila Moralidade, para o filho da Escrava, para o Sinai. Onde estamos colocando nossa esperança? Estamos esperando em Cristo?

Me assombro com o relativismo da igreja, tudo é normal, tudo é permitido, tudo é aceitável. O que me leva a pensar, será que somos realmente peregrinos? Será que não estamos fazendo o papel do Sábio Segundo o Mundo?

Será que não estamos retirando as almas do caminho da salvação e enviando-as para o senhor Legalidade e para seu belo filho Urbanidade?

Temos a oportunidade diária de declarar o verdadeiro evangelho da salvação e desperdiçamos apresentando um compêndio de prazeres humanos envelopados com uma suja roupa cristã.

Existe uma aldeia, uma pequena vila, chamada Moralidade. Você quer morar nela? Ou melhor, você está enviando as almas para ela?

Que evangelho temos seguido? Medite nestas palavras…

Fique na Paz de Cristo Jesus e que Deus vos abençoe.

Jamil Filho

Jamil Filho

Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, fundador e editor do Euaggelion.

Ler mais