Apologética Devocional DropsGelion Reflexão Sobre Fale Conosco
/ Deus

Pecadores nas mãos de um Deus amoroso

  • Jamil Filho

    Jamil Filho

    Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, criador e editor do Euaggelion.

    Ler mais artigos deste autor.

    Jamil Filho

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16)

Faz algumas semanas que não publicamos nenhum artigo no Euaggelion, no entanto, durante este tempo estive refletindo acerca de um tema, algumas vezes esquecido, outras vezes deturpado: o amor de Deus.

Creio que, possivelmente, muitos já tenham ouvido falar do famoso sermão de Jonathan Edwards, “Pecadores nas mãos de um Deus irado” (a título deste artigo o parafraseia). Eu mesmo já o ouvi diversas vezes sob a narração de Josemar Bessa, mas embora concorde com grande parte que Edwards declara tenho que admitir que não endosso todo seu sermão.

Por dois motivos. O primeiro, Edwards traça o perfil, exacerbado, de um Deus que vive irado, com desejo de destruição, de sangue. E, segundo, ele reduz (ou anula) o amor de Deus pelo pecador. Na realidade, não há nenhuma referência ao amor de Deus em todo o sermão de Edwards.

De fato, devemos entender que Deus julga, condena e pune o pecador, não seremos levianos ao ponto de ignorar esta verdade. No entanto, Deus não é o ser psicótico que saliva sangue e destruição, tal como Edwards apresenta (mesmo que inconscientemente).

Mas então como reconciliar a ira de Deus, amplamente declarada nas escrituras Sagradas, com o amor?

Antes de prosseguirmos, compreenda que, em momento algum, Deus se viu obrigado, ou foi obrigado, a salvar a humanidade. A consequência do pecado era nossa, nós deveríamos lidar com ele e com suas trágicas cicatrizes.

Por que então Deus interfere neste cenário? Por que Ele interfere em nossa realidade de pecado e morte se Ele não possuía responsabilidade sobre nossa queda?

Existe apenas uma única resposta: o amor. Deus interfere em nosso cenário de desolação, morte e perdição eterna, pois Ele ama a humanidade. O simples ato de nos criar já nos demonstra o Seu eterno amor.

Deus não necessitava de nós, nossa existência em nada interferiria em seu eterno e imutável poder e glória. No entanto, ao criar o homem, ao criar Adão, o Senhor Deus desejou repartir, com um ser fora da Trindade, todo o eterno e imutável amor e glória nEle presentes.

O Senhor nos criou para ama-lo, e uma vez amando-o, seremos amados dEle (João 14:21) e desfrutaremos do mais puro e simples amor. Não fomos predestinados a ama-lo, caso contrário não seria amor, mas amamos ao Senhor apenas e tão somente porque Ele nos amou primeiro (1 João 4:19).

“Pensar que o homem ama ao Senhor por predestinação é, no mínimo, crer que Deus é um Ser carente e dependente de um sentimento virtual fora da Trindade. Jamais! Deus em momento algum necessitava ou dependia da criação humana para satisfazer algo, no entanto, ao fazê-lo Ele demonstra que, assim como o Pai, o Filho e o Espírito Santo se relacionam de maneira profunda um com o outro, nós seres humanos também podemos nos relacionar com Ele em liberdade por meio de Cristo Jesus”

Deturpando o amor de Deus:

Há, pelo menos, duas linhas de deturpação do amor de Deus. A primeira declara que, por Ele ser amor, no final todos serão alvos (eternos) dele. Ou seja, Deus por amar toda da humanidade salvará, irremediavelmente, a todos.

Esse pensamento teológico é identificado como universalismo. Deus ama tanto o homem que suprime os demais atributos para salvar a todos os homens, inclusive aqueles que já estão no inferno.

A segunda deturpação do amor de Deus está no extremo oposto da primeira. Deus, na realidade, não ama a todos os homens, nem ao menos deseja salvar todos os homens. Pelo contrário, segundo a visão conhecida como calvinismo, Deus ama apenas um pequeno grupo de seres humanos (o ponto de fundamentação do sermão de Edwards), e todo o restante é alvo de Sua eterna e irremediável ira.

Não concordo, biblicamente, nem com o universalismo, pois deturpa o amor de Deus ao declarar que todos serão salvos indiscriminadamente, nem como o calvinismo, pois declara que Deus não ama a todos.

Como compreender o amor e a ira de Deus então?

Biblicamente, o amor de Deus não se encontra no meio termo (entre universalismo e o calvinismo), mas sim num plano muito superior. Podemos sintetiza-lo da seguinte maneira:

  1. Deus amou a humanidade ao desejar cria-la;
  2. Deus cria o homem e o ama ao concedê-lo liberdade;
  3. O homem, ao abusar, da liberdade de Deus peca contra o Senhor;
  4. Deus, exercendo o seu infinito amor, sacrifica Jesus Cristo e;
  5. Proporciona uma eternidade ao Seu lado para aqueles que se submeterem ao Seu critério de salvação (Jesus Cristo).

Jesus Cristo e Seu sacrifício na Cruz do Calvário foi a demonstração máxima do amor e de ira de Deus.

O Senhor não precisava nos salvar, Ele não seria menos Soberano, Poderoso, Glorioso e Santo de entregasse a humanidade, eternamente, à perdição e ao pecado.

Contudo, Ele interferiu em nosso cenário, enviou Jesus para morrer e levar sobre si a ira que estava sobre nós. Deus sacrifica Jesus, pois somente nEle a aliança poderia ser mantida.

Desde Adão até Cristo as alianças entre Deus e os homens eram falhas, pois dependia da perseverança e permanência humana diante das ordenanças do Senhor.

Ao enviar e sacrificar Jesus, Deus retira o homem do primeiro plano. O escritor aos Hebreus declara que Jesus entra diante de Deus e oferece seu sangue em favor da humanidade (Hebreus 9:24-28).

Deus oferece o Cordeiro que venceria o império do pecado, o coloca na cruz e derrama sobre Ele a ira máxima do pecado, ou seja, a morte, este vence a morte, entra diante do Senhor poderoso e apresenta o Seu próprio sangue em favor da humanidade.

O homem se encontra em segundo plano na aliança da graça, somos os beneficiários dela e não os atores principais. Deus, Jesus Cristo e o Espírito Santo são os principais atores da graça.

Deus é aquele que proporciona o Cordeiro, Jesus é aquele que asperge o Seu Sangue para a remissão do pecado e o Espírito Santo é quem efetiva a morte de Cristo no coração do homem convencendo-o de seu estado caído e de sua necessidade de Salvador.

O amor de Deus está expresso no Sacrifício de Jesus Cristo. É um amor universal, derramado em prol de todos (sem exceção).

Ao tratar da Salvação em Cristo Jesus, o Apóstolo Paulo escreve em 1 Timóteo 4:10 as seguintes palavras:

“Porque para isto trabalhamos e somos injuriados, pois esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens , principalmente dos fiéis ”

O versículo que introduzimos este artigo é uma declaração, simples, pura e clara, de que o Senhor amou todo o mundo, todas as pessoas, em todas as eras, ao ponto de sacrificar Jesus com o propósito de salvar todo aquele que crê.

Deus ama a todos os homens, de todas as eras e nações, contudo Ele não impõe Seu amor, caso contrário não seria amor. Cabe ao homem, diante do Sacrifício de Jesus, reconhecer sua necessidade e abraçar o maravilhoso, eterno e puro amor de Deus.

Somos todos pecadores nas mãos de um Deus amoroso, Ele nos amou, se entregou livremente por nós e deseja que todos os homens se salvem (1 Timóteo 2:6) para que, finalmente, desfrutem por toda a eternidade a expressão sublime do seu imutável amor.

Desfrute desta maravilhosa graça, deste maravilhoso amor de Deus. Que Deus vos abençoe, fique na Paz de Cristo Jesus.

Jamil Filho

Jamil Filho

Cristão por livre escolha, salvo pela graça, servo de Cristo Jesus, eterno estudante de teologia, criador e editor do Euaggelion.

Leia mais
Pecadores nas mãos de um Deus amoroso
Compartilhe