Home / Apologética / Defenda a Fé Cristã – Série Apologética #01

Defenda a Fé Cristã – Série Apologética #01

Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós. (1 Pedro 3:15)

Você já foi questionado acerca de sua fé em Deus e em Jesus? Alguém já lhe apresentou fortes argumentos contra a sua fé e esperança lhe fazendo questionar se, realmente, há algum Deus?

Se sua resposta foi sim, então esta série de artigos lhe auxiliará na defesa do evangelho, se sua resposta foi não, então esta série lhe acrescentará mais arsenal em suas armas na guerra contra os poderes de Satanás.

“… quanto melhores forem meus argumentos, menos beligerante eu me torno. Quanto melhor for minha defesa, menos preciso ficar na defensiva” – William Lane Craig

Estai sempre preparados

Antes de entrarmos no estudo da apologética, propriamente dito, devemos meditar, primeiramente acerca de nossas próprias vidas.

O Apóstolo Pedro, no capítulo 3, escreve acerca de qual deve ser a postura do cristão e como deve ser sua vida espiritual.

  • vv. 1-6: apresenta orientações para as mulheres cristãs;
  • v. 7: apresenta orientações para os homens;
  • vv. 8-14: o Apóstolo aborda a vida do cristão, como ele deve se portar, o seu sofrimento pela causa do evangelho e a santidade.

Mas qual a necessidade de atentarmos para nossa vida diante de Deus?

Há, ao menos, dois bons motivos para cuidarmos da nossa vida espiritual e da importância dela frente aos questionamentos acerca da nossa fé:

  • Se não vivemos corretamente diante de Deus, nossa própria consciência nos impedirá ao tentarmos defender o evangelho com comprometimento;
  • Se nossa vida cristã não for fiel diante de Deus então estaremos manchando o Evangelho e, por consequência, não há como defende-lo diante dos incrédulos, pois como defender aquilo que eu desobedeço?

A primeira, e mais importante, etapa na defesa da fé cristã consiste em viver a fé cristã, sua vida deve ser um modelo de apologética, seus hobbies, passatempos, divertimentos, livros, músicas, séries, filmes, companhias, colegas e empreendimentos devem defender o evangelho, pois como vamos defender algo que não cremos ou ainda como vamos viver algo que não cremos?

“…santificai ao Senhor Deus em vossos corações” (v. 15)

Tratamos, em alguns artigos anteriores, acerca da fé e, com toda certeza, podemos toma-lo como base nesta breve introdução à apologética.

“Nossa fé em Cristo Jesus e em Sua Eterna Palavra não é apenas uma crença supersticiosa, mas sim um fundamento sobre o qual guiamos e firmamos os nossos passos” (Jamil Filho, Artigo: A fé)

A primeira etapa é alimentarmos nossa fé, nossa vida espiritual e nossa confiança em Deus.

Antes de tentar defender, racionalmente, a fé cristã, viva a fé cristã, defenda com suas atitudes. Antes de tentar defender a fé tenha certeza de que você vive a fé!

Viva com Cristo, siga-O, confie nEle, santifique-se e busque a Deus e, quando sua fé estiver firme, então parta para a defesa argumentativa.

Não tente dar o passo maior que a perna! De nada adianta você ter todos os argumentos filosóficos, históricos e teológicos para defender o cristianismo se, no seu dia a dia, o cristianismo e o comprometimento com a Palavra de Deus são inexistentes em sua vida.

Não estou dizendo que enquanto você não adquiriu firmeza na fé, ou ainda está em dúvidas acerca dela, você não pode defender aquilo que crê!

Estou dizendo que se sua fé não for firme o suficiente em Cristo, nem mesmo a apologética irá te segurar nEle, se você ainda tem dúvidas e não confia totalmente em Deus há grandes chances de, ao invés de defender sua fé quando for solicitado, você a perderá.

“É evidente que a apologética não garante que você […] manter[á] a fé. Existem muitos outros fatores de caráter moral e espiritual que também influenciam nesta questão” – Lane Craig

Meu esforço nesta série de artigos será não apenas fornecer argumentos às questões mais difíceis que são levantadas diante dos cristãos, mas também lhe apresentar mais subsídio para sua fé em Deus e o porquê crer em Deus faz tanto sentido.

Como será a estrutura dos artigos desta série?

Todo artigo será desenvolvido entorno de um tema, normalmente cada questão feita à fé cristã compreenderá um tema e fornecerá conteúdo para uma análise mais detalhada.

Para tornar os artigos mais dinâmicos cada linha de argumentação será simplificada e apresentada através de infográficos, imagens e/ou animações.

Todo artigo será concluído com um esboço da linha de pensamento e uma análise conclusiva final e, como complemento de leitura e estudo, cada artigo contará com suas respectivas referências bibliográficas e sugestões de leitura, tanto de livros, quanto de artigos e teses.

Pois bem, dito isto vamos à nossa introdução à apologética.

Apologética

Apologética:

1. Parte da teologia destinada a defender a religião contra os ataques de seus opositores. 2. Defesa argumentativa sistemática ou discurso em defesa de um determinado sistema de crenças, teorias ou ideias. 3. Apologia ou justificação formal (Dicionário Michaelis Online).

Você pode argumentar:

“Deixe a apologética para os pastores, teólogos e eruditos, eu apenas compartilho a minha fé”

E é aqui que você se engana, todos os cristãos estão comprometidos (ao menos os verdadeiros cristãos deveriam estar) com a apologética, seja consciente disto ou não.

Apenas o fato de você compartilhar sua fé e responder aos questionamentos dos ímpios acerca das Sagradas Escrituras já demonstra que você, mesmo inconsciente do fato, está fazendo apologia ao Evangelho.

A distinção que muitas vezes fazemos entre teólogos e cristãos não deve existir, imaginamos que somente aqueles que estudam horas seguidas, que leem incansavelmente e dominam o conhecimento erudito estão aptos para defender a fé cristã.

Não!!! Pelo contrário.

Você, por mais simples que seja, também está incluído na lista de defensores e estudiosos da Palavra de Deus, apenas se disponha a isso.

“Nunca vi um cristão útil que não seja estudante da Bíblia. Não existem atalhos para a santidade.” A. W. Tozer

 

“… estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós”

Cabe ressaltar que apologética não é um combate onde um sai vencedor e outro perdedor.

Não é uma demonstração arrogante de conhecimento, se alguém diz estar defendendo a Bíblia, mas se porta de maneira arrogante ao fazê-lo então, realmente, ele não é um apologista.

O que o Apóstolo Pedro nos recomenda? Devemos estar prontos, em todo o momento, para “… responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós”.

Apologética não é uma guerra contra pessoas, mas sim uma batalha contra as potestades malignas, é uma luta pela salvação das almas.

Portanto, se for defender o evangelho lembre-se que seu opositor não é aquele que lhe questiona, mas sim o Maligno que o impele a repudiar o Evangelho.

“Pessoas que não são treinadas na apologética costumam ter medo de compartilhar sua fé ou de falar de Cristo por temerem que alguém lhes faça alguma pergunta. Mas quem souber as respostas para essas perguntas não terá medo de entrar na caverna dos leões – na verdade, vai até gostar disso!” – Lane Craig.

Pois bem, talvez até aqui você já tenha se despertado para a responsabilidade de defender o Evangelho, mas se depara com a questão:

Sim, quero me dedicar à apologética, mas não sei responder todas as questões que me são apresentadas, o que eu faço?

Este é o objetivo desta série, oferecer bases sobre as quais você poderá se firmar, desde que você se comprometa não apenas em exercitar sua razão, mas especialmente sua fé.

Na próxima semana abordaremos a questão: Faz alguma diferença se Deus existe ou não? E quais são as implicações, racionais, de um universo sem Deus?

Em guarda, defensores do Evangelho! Lhe aguardo na próxima quarta-feira.

Que Deus lhe abençoe, fique na Paz de Cristo Jesus.

Conteúdo complementar:

Notas complementares ao artigo.