Filhos de crentes, inimigos de Deus

“Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo;” (Romanos 10:9)

O artigo desta segunda-feira será uma breve reflexão que dirijo aos jovens, principalmente aos jovens que são filhos de pais cristãos. A Palavra de Deus nos deixa muito claro que a salvação é pessoal e intransferível.

Vejo, ainda mais hoje, jovens dentro da igreja, fazendo o papel de cristão verdadeiro e no mundo, longe dos olhos dos irmãos, vive de maneira depravada, descompromissada com a Palavra de Deus e longe dos princípios cristãos.

Nasci em uma família cristã, meus pais estão há décadas na presença de Deus, no entanto, isso não retira a minha responsabilidade para com o Senhor. A salvação deles não é extensiva, não existe um plano familiar de salvação.

“A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.” (Ezequiel 18:20)

O Senhor Deus deixou bem claro em sua Palavra, o pecador pagará pelo seu pecado, não há maldição hereditária da mesma maneira que não há salvação hereditária.

“A justiça do justo ficará sobre ele”

Isso não significa, porém, que a piedade e a justiça dos pais não influenciarão a vida cristã dos filhos, pelo contrário, o testemunho dentro de casa é de extrema importância para a formação cristã da criança. Porém, a justiça do pai ficará apenas sobre ele, o compromisso do pai para com Deus não salvará a vida de seu filho, ele pode influenciar o filho a seguir ao Senhor, no entanto, não o salvará.

A Palavra de Deus é bem clara “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” (Atos 2:21)

Não se trata apenas de orar no culto de domingo a noite, de abrir a Bíblia na Escola Dominical, mas sim de um constante clamor ao Senhor. O Apóstolo Paulo é enfático ao registrar: “Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo;”

Ao confessar a Jesus Cristo como Senhor, ao invocá-lO e crer, com todo o coração, eu devo obrigatoriamente expressar em minha vida o caráter do Senhor.

Infelizmente a Igreja está cheia de jovens, filhos de cristãos, mas inimigos de Deus. Jovens que amam o mundo, que se vestem depravadamente como o mundo, que falam como o mundo, que se divertem como o mundo, que pratica tudo o que o mundo pratica, no entanto, ao contrário do mundo, enganam-se com a vaga probabilidade de serem salvos.

Se Cristo não é seu modelo de vida você não é um cristão! Se o Evangelho puro e simples é um peso para sua alma você nunca compreendeu a Palavra de Deus. Se a santificação, a separação do pecado e o afastamento do mundo lhe soam como palavras antiquadas, pesadas e desagradáveis então, na realidade, sua alma está eternamente fadada ao inferno.

“Infiéis, não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” (Tiago 4:4)

Meu caro amigo, sei que o mundo pode parecer agradável, principalmente em sua juventude, no entanto, a Palavra de Deus não mudou. O mundo pode ter mudado, a Igreja Instituição pode ter mudado, os tempos podem ter mudado, porém a Palavra de Deus permanece (Marcos 13:31) e ela é clara ao declarar que devemos ser santos e separados deste mundo (Hebreus 12:14; 1 João 2:15-17).

Se, assim como eu, você nasceu em uma família cristã tenha em mente que o peso da responsabilidade é maior, não menor. Pois, desde a tenra idade, a Palavra de Deus tem nos alertado acerca do Único Caminho.

Não teremos desculpas, não somos inocentes, não poderemos afirmar que jamais ouvimos ou que desconhecemos o que a Bíblia diz.

A pergunta que lhe faço hoje é “Você é apenas um filho de crente ou um filho de crente que foi adotado por Deus?”

Fique na Paz de Cristo Jesus, que Deus vos abençoe.