A Bênção de não ter nada

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5:3)

Bem-aventurados os pobres de espírito… Creio que todos os cristãos, e até mesmo muitos não cristãos, conhecem a primeira bem-aventurança apresentada por Jesus em seu “Sermão da Montanha”.

Jesus nos ensina aquilo que, desde o Éden, Deus desejou para nós. Ao criar o mundo o Senhor Deus propicia todas as condições necessárias para que o homem pudesse desfrutar de todas as bênçãos que Ele nos havia preparado.

Quando leio o relato descrito no Gênesis me vem à mente, claramente, a imagem de um Pai bondoso, preparando o que Ele tem de melhor para que seus filhos pudessem desfrutar de suas dádivas. No entanto, o propósito de Deus nunca foi que as coisas tomassem o Seu lugar no coração humano. Somente Ele deveria habitar no santuário que havia preparado dentro de cada ser humano.

Jesus sabendo do fracasso humano adquirido no Éden ao colocar Deus em segundo plano relembra seus discípulos que os pobres de espírito herdarão o Reino dos Céus.

A. W. Tozer nos apresenta um maravilhoso vislumbre desta passagem em seu livro “Em busca de Deus — Minha alma anseia por ti”.

O caminho para o conhecimento mais profundo de Deus passa pelos vales solitários da pobreza da alma e da abnegação de todas as coisas. Os bem-aventurados aos quais o Reino pertence são aqueles que repudiaram tudo o que é exterior e desenraizaram do próprio coração toda a ideia de posse.

Será que temos sido pobres de espírito? Será que temos desarraigado tudo aquilo que toma o lugar de Deus em nossas vidas ao ponto de estarmos satisfeitos apenas com a Presença dEle?

Lembre-se que o Reino dos céus pertence aos pobres de espírito, pois eles se abnegam ao ponto de somente se satisfazerem em Deus, sua fraqueza é a sua fortaleza em Deus, sua pobreza é a riqueza do Espírito Santo.

Quanto menos coisas terrenas tivermos dentro de nosso coração, mais de Deus alcançaremos.

Fique na Paz de Cristo Jesus e que Deus lhe abençoe.