A Vida habitou entre nós

“E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (João 1:14)

Você já parou para refletir sobre o relato descrito no primeiro capítulo do Evangelho segundo escreveu João?

Muitos não se atentam para a maravilhosa verdade contida neste primeiro capítulo. O Apóstolo João narra um breve panorama do propósito redentor do Senhor.

Ele declara a coexistência de Cristo junto de Deus Pai na criação e eternidade passada, depois declara que Jesus é a luz do mundo e, por fim, apresenta o único caminho para a salvação eterna.

João deixa claro para seus leitores que Cristo, assim como Deus Pai, é eterno e é Deus. Não vamos abordar os detalhes acerca da doutrina da Trindade, talvez futuramente.

E, sendo Deus, Jesus Cristo é o autor da vida, a própria vida habitou entre nós e vivenciou nossos dilemas.

Você consegue imaginar isso? O próprio Deus, Criador dos céus, habitando com a Sua criação?

A vida habitou entre nós para que pudéssemos viver. Deus não precisava nos salvar, Ele não precisava resgatar sua criação caída, mas Ele assim o fez por amor, por misericórdia e graça.

A própria vida morreu por nós para que pudéssemos viver, eternamente, ao lado dEle. Quão maravilhoso não é saber que Deus, sacrificialmente, se dispôs graciosamente em nosso favor.

Reflita nesse amor maravilhoso manifesto no Senhor, na Vida que habitou entre nós para que, nEle, pudéssemos viver.

Que Deus lhe abençoe, fique na paz de Cristo Jesus.