Em espírito e em verdade

“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem” (João 4:23)

Após deixar a Judeia e ir para a Galileia, o Senhor se encontra com uma mulher samaritana e lhe apresenta ao Reino de Deus.

Conhecemos o texto e, principalmente, o fato de que devemos adorar a Deus em espírito e em verdade. Contudo, a declaração de Cristo é muito mais profunda.

Devemos nos lembrar que o ministério de Jesus se desenvolveu em um contexto no qual a adoração a Deus estava centralizada no Templo em Jerusalém, para os judeus Deus habitava no templo e apenas lá Ele era adorado. Em paralelo, outros povos também possuíam a ideia de adorar a deuses em tempos ou em locais específicos.

A história nos mostra que, após a divisão de Israel entre o Reino do Norte e o Reino do Sul, o rei Jeroboão, temendo que o povo se rebelasse contra ele, proíbe o povo a subir para adorar a Deus em Jerusalém e estabelece em seu próprio reino locais de adoração.

Quando Cristo se encontra com a mulher samaritana e esta questiona onde é o lugar correto para adorar a Deus, o Senhor lhe responde que nem no monte Gerizim e nem em Jerusalém os adoradores o adorarão, mas em todo e qualquer lugar.

Hoje ainda há aqueles que possuem o mesmo entendimento que a mulher samaritana, ainda creem que apenas no culto público a Deus adoramos ao Senhor, entendem que a adoração se limita ao momento do louvor coletivo.

No entanto, Jesus nos declara que Deus está em busca daqueles que O adorem com suas vidas, indiferente do local, da circunstância e do contexto. Deus procura adoradores que adorem com seu testemunho e com sua dedicação à Sua Soberana Vontade.

Será que estamos atendendo ao padrão de adorador exigido e procurado pelo Senhor?