Não quero Deus

“Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.” (João 1:4–5, 11)

Ano 2018, correria da vida moderna, notificações frenéticas a todo instante, trabalho, faculdade, compromissos… Parece que a vida moderna junto com suas bênçãos nos trouxe alguns efeitos colaterais: estamos sempre sobrecarregados e atarefados.

Nosso dia-a-dia corrido não comporta, ou melhor dizendo, não deseja comportar mais Deus. Qual a necessidade? Qual o valor prático?

Sempre que falamos de rejeição a Deus, ou de se opor aos preceitos que a Bíblia nos apresenta logo de cara nossa mente traça o perfil perfeito para isso: o ateu.

O sujeito que afirma ter todas as provas contra a fé, que vive pela razão e ama apenas o que é cientificamente palpável. Mas o ateu é o menor dos males!

Quantas vezes dizemos pertencer ao povo de Deus, mas quando Ele vem até nós simplesmente não O recebemos? Será que nosso coração se alegra ao ouvirmos e lembrarmos que Ele pode, a qualquer momento, retornar?

Infelizmente temos removido Deus de nossos afazeres diários, de nossa agenda, de nossos compromissos. Acreditamos que podemos Lhe entregar quarenta minutos aos domingos e, assim, continuar sustentando um relacionamento com Ele.

Por favor, querido leitor, não repita o erro que os judeus cometeram. Aqueles homens e mulheres que afirmavam ser o “povo de Deus”, que tinham a Lei gravada nas portas de suas casas, mas que negaram o próprio Deus da Lei.

Dedique um pouco de tempo para o Senhor, coloque Ele em sua agenda, pare de dizer que O ama enquanto que, na realidade, você realmente não deseja se comprometer com Ele.

Pare de negar Deus com sua vida cotidiana. Se aproxime de Deus e Ele se aproximará de você (Tiago 4:8).

Fique na Paz de Cristo e que Deus lhe abençoe.