Ainda bem que Deus não é igual a você - DropsGelion #06

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16)

O versículo central do cristianismo, senão de toda a Bíblia. Interpretações soteriológicas a parte, o verso é claro ao declarar que Deus amou o mundo.

Sim, um Deus santo, puro e justo amou um mundo cheio de maldade, crueldade, iniquidade. Não poderíamos, jamais, alcançar o preço exigido pelo Senhor, jamais conseguiríamos ser salvos.

Éramos como um homem, sem nenhuma força, faminto e enlameado, preso dentro de uma cisterna profunda, buscando de todas as maneiras alcançar a liberdade acima. Jamais seríamos capazes, no entanto, Deus enviou Cristo, Ele lançou uma corda ao nosso alcance e garantiu o meio para a salvação.

Ele assim fez enquanto ainda estávamos em pecado (Romanos 5:8), contudo, não vemos isto no cristianismo, ou melhor, não conseguimos ver esse amor desprendido nos cristãos da atualidade.

Enquanto o Senhor da Igreja, o Deus Eterno se despiu de sua Glória e se humilhou a ponto de se tornar homem (quer uma humilhação maior para um Deus?) a fim de carregar o peso da maldição do pecado para livrar-nos da maldição, vemos, do outro lado, um cristianismo farisaico pautado nas boas ações dos indivíduos como critério para salvação, misericórdia ou auxílio.

Não vejo Cristo olhando para nossa condição a fim de decidir se carregaria ou não aquela cruz, não vejo Deus considerando nossa integridade moral ou espiritual ao Eleger Cristo para a morte antes da fundação do mundo.

No entanto, vejo cristãos estabelecendo critérios nos quais o outro deve se enquadrar a fim de ser merecedor de graça, misericórdia e salvação divina. Se ele é um marginal merece morrer, mas se é um homem de bem que viva.

Será que nos esquecemos que todos, sim, TODOS não passamos de seres humanos pecadores e injustos? Que Jesus não morreu para os “bons” desta Terra, mas para os miseráveis? E que, como cristãos (seguidores de Cristo) devemos, assim como Ele.

Ainda bem que Deus não é igual a você, senão estaríamos todos eternamente perdidos!

Não nego, contudo, que alguém que cometeu um crime não deva pagar por ele, pelo contrário, Deus é bem claro ao dizer, por intermédio do Apóstolo Paulo que: “Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6:7).

No entanto, quando o quesito é salvação não há nenhum critério que um ser humano deve cumprir para torná-lo “mais” ou “menos” merecedor. Nenhum de nós merecíamos, mas mesmo assim Deus enviou seu Único Filho a fim de garantir a salvação pela fé.

Quanto mais cedo enxergarmos esta verdade, mais úteis seremos para o Reino de Deus.